Satisfatório cheira-me sempre a poucochinho….

Uma equipa com objectivos satisfatórios, tem resultados satisfatórios e é composta por colaboradores satisfatórios….

Mas o que é isso senão um sintoma de poucochinho:  medíocre e não conducente a nada que provoque satisfação quer em modo tangível, quer intangível?

Resultados satisfatórios, sem brilho, sem rasgo, são verdadeiramente insatisfatórios!
E na maioria dos casos quando falamos em equipas falamos num grupo de colaboradores, geralmente recrutados pelas suas competências técnicas, que presumivelmente terão os mesmos objectivos e o mesmo tipo de gestão e de liderança. Sim, se forem geridos pelos sistemas implementados na organização e liderados pela mesma pessoa… Todavia, será isto de facto uma equipa? Ou tão somente um grupo de indivíduos, tecnicamente competentes, que foram reunidos para alcançarem objetivos comuns?

E por quem foram delineados estes objectivos? Tiveram uma participação directa e envolvimento suficiente na sua definição, ou foram placidamente aceites, porque sempre assim se fez na organização?

Equipa é definida na Wikipedia como um grupo de pessoas que se junta para alcançar um objetivo em comum (…) Também é definido como um pequeno grupo de pessoas com habilidades complementares, que trabalham juntas com o fim de atingir um propósito comum; pelo qual se consideram coletivamente responsáveis, ou como um é grupo com funcionamento qualificado, que compreende seus objetivos e está engajado em alcança-los, de forma compartilhada.
E ainda que não goste da palavra engajado, pois a tradução não é feliz, estamos a referir-nos de facto a engagement:  aquela sensação de missão que sentimos quando temos as competências necessárias para integrar uma equipa, os  nossos valores se encontram alinhados com os valores da cultura organizacional em que estamos inseridos, partilhados entre todos, e porque nela nos sentimos bem, de coração cheio, e somos capazes de comunicar de uma maneira aberta, directa, assertiva; a única maneira de podermos remar todos no mesmo sentido e de evitar mal entendidos, conflitos e silêncios gritantes de insatisfação?

Só colaboradores com esta sensação e este sentimento de engagement estão realmente motivados; porque, como há muito se sabe e se tem debatido, ou esta motivação é intrínseca e perene ou não há prémios e incentivos capazes de a manter no seu devido nível para que nos possamos sentir bem a fazer o que fazemos e sermos capazes de dar mais do que o melhor de nós próprios; de nos superarmos, porque estamos a ser íntegros, satisfeitos com quem somos, com a nossa atitude, e como nos posicionamos e sentimos!

E se é importante para cada um de nós este sentimento de engagement, deixo a pergunta a todos os Responsáveis por Equipas: como está o engagement e a motivação da sua equipa?

Satisfatório?

Então é muito pouco. Mesmo poucochinho…. e está na hora de fazer algo. Se não sabe o que fazer exatamente, estou à sua disposição!