Como manter os seus colaboradores e fazer com que adorem o que fazem…

Muitos de nós acreditam que o salário é o motivo principal para as pessoas se demitirem. Não o é, de acordo com o estudo da Gallup a mais de um milhão de pessoas empregadas. Má liderança é a razão número um para os colaboradores procurarem outro emprego.

Um dos maiores desafios que as companhias enfrentam actualmente é a retenção de talento. Colaboradores inteligentes, honestos e trabalhadores são críticos para o sucesso contínuo de uma organização, e agora mais do que nunca, estes colaboradores são difíceis de encontrar e ainda mais difíceis de manter! Uns impressionantes 50% de colaboradores desistem do seu emprego para se afastar dos seus chefes (Gallup 2015). Quantos de nós alguma vez pensamos que, como líderes, poderá ser por nossa responsabilidade que esses colaboradores estão a sair? Quantos de nós se interrogaram, quando alguém sai da equipa, se foi por nossa causa, por algo que fizemos ou por algo que não fizemos?

Colaboradores que não têm uma boa relação com os seus chefes, que não gostem ou não os respeitem, vão querer sair da empresa independentemente do salário alto ou benefícios, por causa do chefe.

Não se pode comprar empenho e lealdade. Um bom gestor, independentemente do salário que os colaboradores recebam, inspira lealdade e vai conseguir manter a maioria da sua equipa.

Quando um novo colaborador se junta a uma empresa, ele o faz com grande optimismo e porque se sente bem. Quando sai, é usualmente por algo, em algum momento, o fez sentir mal. Se tirar o tempo necessário a perceber as razões verdadeiras por que saíram, perceberá que não é a empresa que culpam, é a liderança…

Uns alarmantes 83% da força mundial de trabalho não está empenhada no trabalho. Por isso, o que é que tantos gestores estão a fazer de errado? E, mais importante, como o podem evitar?

 

1)  Líderes – Ninguém quer saber o quanto sabe até saberem o quanto se preocupa

Se querem atrair e reter os melhores e mais inteligentes, os líderes precisam de se ligar aos colaboradores e garantir que estes sentem que são a maior valia para da empresa. A maior parte dos líderes sabem menos sobre os seus colaboradores do que estes sabem sobre eles. Quando os seus colaboradores dizem para eles próprios e para os outros, “mas ele/ela não se preocupa?”, tem um problema. Sabe o que lhes está a faltar? Sabe o que precisam para se sentirem empenhados e felizes? O que sentimos é influenciado pelo que realmente damos valor, e todos somos motivados de maneiras diferentes. Tire o tempo para aprender sobre as vontades e desejos dos seus colaboradores. Tire o tempo para perceber quem eles são e o que os motiva. Ao ajustar a sua aproximação dessa maneira seguir-se-á uma melhor performance.

 

2)   Líderes – atribuam mais independência às suas equipas

A tradicional estrutura hierárquica não é a opção mais eficaz para as empresas hoje em dia. Em vez disso, empresas com sucesso estão a mover-se para uma estrutura organizacional mais flexível, que permite aos colaboradores tomarem as suas próprias decisões e evitarem a rigidez dos modelos tradicionais. Os colaboradores prosperam quando lhes é dado um sentimento de independência para cumprirem os seus objectivos, com menos aprovações, verificações e com um grau menor de intervenção. Desafie-os a tomar mais responsabilidade, deixe-os definir os seus próprios objectivos e responsabilize-os pelos resultados. A igualdade promove unidade e confiança, encorajando os seus colaboradores a partilhar as suas opiniões honestas e ideias. Um estilo dictatorial é uma das maneiras mais efetivas para levar um colaborador a se despedir, e no entanto, ainda muitos líderes trabalham assim… Está na altura de evoluir!

 

3)   Líderes – Pratiquem uma liderança constante. Seja de confiança e lidere através do exemplo.

A liderança é constante, e é toda sobre ações. Confiança e credibilidade não acontecem de um dia para o outro. Líderes ganham-na ao longo do tempo, através das suas atitudes e comportamentos pessoais positivos para com os outros. Líderes que são merecedores de confiança são, verdadeiros, directos e éticos. Preocupam-se com e reconhecem os seus colaboradores, exibindo abertura e transparência. Os colaboradores são atraídos por líderes que sejam genuínos e íntegros. Estes gestores são valorizados e admirados. Por outro lado, os colaboradores fogem quando os gestores são injustos, mentem, aldrabam, ofendem e enganam. A maneira mais eficaz de criar uma cultura dinâmica (que tem como efeito o empenho) é liderar através do exemplo. Tem de começar do topo para baixo.

 

Nos negócios, os seus colaboradores são fonte da sua vantagem competitiva, para uma organização ultrapassar a sua concorrência, os seus líderes têm de avançar para além dos métodos de liderança e formação antigos – estes já não são suficientes quando chega a altura de motivar os colaboradores.

 

Com o programa Engage & Grow temos a missão de mudar a forma como os colaboradores estão empenhados nas Organizações e por isso convido a começar por um diagnóstico do nível de engagement dos seus colaboradores – esse é o primeiro passo.

 

Lembre-se, ninguém quer saber o quanto sabe até saberem o quanto se preocupa!